Freelancer X In House

Uma dúvida que às vezes surge quando começamos nossa carreira como tradutor é justamente se devemos começar como tradutor freelancer (autônomo) ou se devemos trabalhar internamente em uma agência de tradução (in house).
Como em tudo na vida há vantagens e desvantagens, deixarei aqui algumas características para que você conheça um pouco e decida o que valerá mais a pena.

Tradutor Freelancer (autônomo):

  • Escolhe o próprio horário de trabalho: pode trabalhar de segunda a sexta-feira, ou somente aos finais de semana. Pode viajar, ir ao cinema ou à praia quando quiser, porém deve ser responsável o suficiente para manter a qualidade do trabalho e entregar tudo dentro do prazo combinado.
  • O salário pode variar de acordo com a demanda de trabalho. O mês que “chover” trabalho, pode receber um excelente salário, assim como se o mercado estiver escasso, o salário será bem mais baixo.
  • Tem a liberdade de escolher onde vai trabalhar. Só é importante lembrar que precisa do básico para isso: um computador com acesso à internet, principalmente.
  • Não tem alguns benefícios como férias remuneradas, plano de saúde, fundo de garantia, previdência… a menos que você mesmo pague por isso.
  • Trabalha sozinho, geralmente em sua própria casa.
  • Precisa saber controlar as finanças, afinal, como já foi dito antes, o salário varia de acordo com a quantidade de trabalho.
  • Tem a preocupação (principalmente no início da carreira) de buscar constantemente novos clientes (sejam clientes diretos ou agências de tradução) para aumentar a quantidade de trabalho.
Tradutor In House (trabalha internamente em uma agência de tradução):
  • Tem horário fixo de trabalho.
  • Tem salário fixo, podendo receber “um extra”, dependendo da agência, pois algumas impõem uma meta de X palavras que, caso sejam ultrapassadas, podem gerar bônus.
  • Chova ou faça sol, precisa ir todos os dias à agência, pois lá é o seu local de trabalho.
  • Tem benefícios como férias remuneradas, plano de saúde, previdência, fundo de garantia e outros mais, dependendo da agência.
  • Apesar de ser um trabalho “solitário”, estará em contato com as outras pessoas que trabalham ao seu redor na agência.
Escritório da Agência Porto Traduções
Eu nunca trabalhei In House, então não tenho tantas dicas para passar. Mas se você quiser mais informações, até mesmo para comparar as duas formas de trabalho, aconselho que ouça o TradCast // O primeiro podcast brasileiro de tradução que discute justamente esse tema.
Para quem trabalha há bastante tempo como tradutor e já possui uma sólida carteira de clientes, acredito que o melhor seja trabalhar como autônomo. Caso você esteja começando agora, pode optar por ser autônomo ou contratado. De uma forma ou de outra, viverá experiências que o ajudarão no futuro! Afinal, algumas coisas só aprendemos através das experiências vividas…

Como começar minha carreira como tradutor?

Colegas Tradutores Iniciantes,
Pelo que tenho visto no meu dia a dia e lido em vários blogs e sites, além de alguns conselhos sobre como começar a carreira de tradutor (comecei a pesquisar sobre isso algum tempo depois de já estar trabalhando como tradutora profissional), destaquei alguns pontos que são importantes:
PESQUISAR – Leiam e pesquisem tudo o que puderem sobre tradução para ter a certeza se é isso que querem fazer. Conheço algumas pessoas que “se aventuraram” na área e acabaram desistindo por acharem que é uma carreia muito solitária. Pesquisem também os jargões utilizados na profissão para que não fiquem perdidos. Uma outra dica é ouvir o TradCast – o primeiro podcast brasileiro de tradução, pois há várias discussões sobre temas da área.
 
ESTUDAR – Pensar que basta ter um pouco de conhecimento sobre algum idioma pode o suficiente para ser tradutor é um erro tremendo! Para ser um tradutor profissional, é importante dominar tanto o idioma materno como o estrangeiro para que haja qualidade no trabalho.
CAT – é importante aprender a usar alguma CAT, pois muitas agências dão preferência ao tradutor que sabe utilizar algumas delas. Para conhecer e verificar como funciona, aconselho que façam o download de uma gratuita, como o Omega T. Dizem que o Wordfast tem uma versão gratuita, mas ainda não consegui encontrar.
CV – Outro detalhe importante é ter um bom currículo, e de preferencia voltado para a área que deseja trabalhar, que neste caso é a tradução. Neste post você pode encontrar um modelo de como criar o seu currículo.
PERFIL – Muitos tradutores começam a carreia como freelancer, e para isso, é preciso aparecer! Crie perfis em alguns sites como LinkeIn, ProZ, Empreendemia, Freela, Translators Café, GetNinjas, Tradutores, TRAG, Translation Directory e outros que não lembro agora, mas prometo que conforme for lembrando, postarei.Para finalizar esse post, quero lembrar a todos que apesar da tradução ser uma profissão não regulamentada, você não deve pensar nessa carreira apenas como um bico. Dedique-se a ela como a qualquer outra profissão. Se você for um bom tradutor, conseguirá bastantes clientes e terá que se organizar para conseguir entregar todos os trabalhos dentro do prazo. Se não levar a profissão a sério, os poucos clientes que conseguir, podem trocá-lo por outro profissional.