Bandeirada: cobrar ou não cobrar, eis a questão

Você sabe o que é a bandeirada na tradução? Será que vale a pena para você? E para o cliente?

Quando você entra em um táxi, a primeira coisa que o motorista faz é ligar o taxímetro que começa a marcar um valor X que você já paga só por ter entrado no carro. Atualmente, aqui no Rio de Janeiro, se não me engano, a bandeirada está em torno de R$ 5,00 a R$ 6,00, ou seja, no mínimo você vai pagar esse valor. A mesma coisa acontece com o Uber (que está na moda agora, né?! rs): quando você solicita uma corrida, ele mostra uma estimativa de preço e tem ali o mínimo que você vai pagar ao percorrer tal trajeto.

Alguns tradutores são adeptos à bandeirada nos serviços de tradução. Caso o cliente envie um texto pequeno, que se for calcular o valor por palavra e der, por exemplo, R$ 12,43, o profissional não aceita pegar o trabalho, ou cobra um valor mínimo para realizá-lo, como R$ 50,00 ou R$ 100,00. Caso a tradução tenha um orçamento que passe do valor da bandeirada, volta a cobrar por palavra.

Até que ponto isso vale a pena?

Se você está sem fazer nada ou mesmo na sua rotina normal, com trabalhos, mas nada que ocupe 100% do seu tempo, eu não vejo sentido em cobrar um valor fixo ao cliente. Eu, particularmente não adoto essa prática e, pensando como o cliente, não gostaria que adotassem comigo.

Tentando encontrar uma justificativa caso fosse aderir à essa prática, eu só cobraria a bandeirada em duas situações:

1) Se eu estivesse de férias, viajando e tal. Afinal, também tenho o direito de descansar, e estaria interrompendo o meu descanso para trabalhar, e claro, isso tem um custo.

2) Se eu estivesse com muito trabalho, desses que você quase tem que virar a noite pra conseguir cumprir o prazo, e fosse encaixar mais um, com muito esforço.

Por que pensei nessas duas situações?

Porque eu gosto de justificar o meu orçamento para o cliente. Tanto para cobrar, quanto para dar desconto (coisa que não gosto de fazer) eu gosto de explicar qual é o motivo daquilo. Não gosto de enviar um orçamento no estilo “porque sim”. Fora as situações acima, não vejo motivo para cobrar “além das palavras”.

Eu também gosto sempre de pensar no cliente e de me colocar no lugar dele. Penso em como eu gostaria de ser atendida, tratada… Sou uma pessoa muito exigente como cliente, então, gosto de dar o melhor atendimento quando procuram os meus serviços!

Sei que esse assunto é bem complicado, que cada um é que sabe onde o sapato aperta (a expressão é assim mesmo?) e que não temos uma tabela de tarifas certinha para seguir (infelizmente), mas esse é o meu ponto de vista, e gostaria de compartilhar com vocês, e talvez, fazer alguns pensarem sobre o assunto, caso ainda não tenham ouvido falar sobre essa forma de cobrar por um serviço.

Se você cobra a bandeirada, deixa um comentário explicando o porquê. Se você não cobra, conte também! Vamos trocar ideias! Quero saber o que vocês pensam! Adoro conhecer outros pontos de vista!!! =)

4 Comentários para: “Bandeirada: cobrar ou não cobrar, eis a questão

  1. Mariana Laudeauser

    Eu cobro uma tarifa mínima sim. Eu vejo como uma forma de valorizar meu trabalho. É o mínimo que acho que vale o meu tempo porque por menor que seja o documento, exige um tempo de dedicação, seja para preparar o orçamento, a disponibilidade para comunicação (troca de emails), a tradução em si, a revisão. Além disso, todos os anos acumulados de conhecimento, experiência, cursos, congressos, especializações e por aí vai. Tudo isso tem um custo que refletem numa tarifa mínima, na minha opinião, claro.

    Responder
    1. Laila Compan Resposta do autor

      Mariana, gostei muito da sua justificativa e inclusive tem lógica!
      Obrigada por deixar a sua opinião! É justamente essa troca que é importante para o nosso crescimento como profissional. =)

      Responder
  2. Mathias N.

    Seu site é tão bacana, você escreve tão bem, e é muito gostoso ler sobre esse ofício tão interessante que é a tradução… Parabéns!

    A propósito… te conheci há pouco tempo, pesquisando tardiamente sobre o tema, já que, só agora, com 21 anos, decidi me dedicar a esse novo mundo, mesmo tendo crescido falando duas línguas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.