Guest Post: 6 qualidades básicas essenciais de um tradutor

O post de hoje é muito especial para mim, e entra para o hall dos meus posts queridinhos, porque quem escreveu foi uma pessoa que conheci no Congresso da Abrates este ano. 
Este é um Guest Post com a minha querida Caroline Alberoni, do blog Carol’s Adventures in Translation!
Seja muito bem-vinda, Carol! O blog é todo seu!!!

6 qualidades básicas essenciais de um tradutor

Acredito que a principal
pergunta de qualquer recém-formado ou iniciante na área é: e
agora, por onde começar? Quando algo é novo e
ainda desconhecido costuma ser assustador e aparentemente difícil. No entanto,
não
há nada que a força de vontade e o desejo de aprender não
resolvam. Se você se
garante nos dois, está pronto
para começar, independentemente do que vier pela frente.
Outras características básicas e essenciais de um bom tradutor são:

1) Pesquisa: Para saber por onde começar, é necessário pesquisar. Você com certeza deve ter pesquisado para chegar até esta publicação ou blog. Precisa pesquisar para encontrar outras informações e dicas relevantes de diferentes profissionais já estabelecidos que possam ser úteis para você. Também precisa pesquisar para encontrar possíveis clientes, saber onde encontrá-los, como entrar em contato, descobrir quem é confiável e com o qual vale a pena trabalhar, o que é preciso fazer para ser um tradutor (tanto em termos formais e legais quanto em termos práticos e empreendedores), etc. Nada cai do céu. A experiência que eu tive pode ser totalmente diferente da experiência que você terá, portanto, é preciso pesquisar para conhecer várias realidades, mas também é necessário aprender por conta própria.


2) Disponibilidade: No início, é necessário mostrar-se disponível. Aliás, faço isso até hoje com clientes novos. Sempre tento fazer um esforço a mais para estar disponível para o cliente, a fim de estabelecer um relacionamento de confiança. Se você disser muitos “nãos” no começo, corre um alto risco de perder o cliente para alguém que estará mais disponível que você. Você precisará trabalhar no fim de semana? Faça-o! Você precisará trabalhar no feriado? Faça-o! Você precisará trabalhar um pouco mais que o normal? Adivinhe? Faça-o! Não tenha preguiça. Afinal de contas, ninguém começa no topo. É preciso batalhar muito para alcançar um ideal.

 3) Prontidão: No mundo do e-mail e dos smartphones, não há desculpa boa o suficiente para não responder o mais rápido possível àquele e-mail importante, principalmente se for contato de um possível cliente. Repito, alguém pode ser mais rápido e você pode perder um cliente bom por isso. Os clientes sempre merecem uma resposta em até, no máximo, uma hora. Você jamais sairá perdendo por adotar essa prática e ela poderá ser o seu diferencial.


4) Polidez: Já dizia a sua mãe: sempre use as palavrinhas mágicas “por favor”, “obrigado” e “desculpe-me”. Seja sempre educado e gentil, agradeça sempre e sempre peça desculpas se pisar na bola e errar. Não tenha medo, errar é humano. É muito melhor reconhecer o erro, desculpar-se, aprender com ele e seguir em frente que ser teimoso e perder o cliente. 

5) Pontualidade: Nunca, jamais, em nenhuma hipótese, entregue projetos atrasados! O volume é muito grande, o prazo é muito curto, você tem outros projetos/compromissos, a área é mais complicada? Tente negociar outro prazo. Não rolou? Não aceite. Peça desculpas e explique que, infelizmente, você não trabalha com aquela área, não consegue traduzir esse volume naquele prazo, já está ocupado com outros projetos, não trabalhará certo dia.
Sim, eu sei, imprevistos acontecem. Em último caso, se acontecer algum problema, avise o responsável pelo projeto imediatamente: veja se há a possibilidade de uma extensão de prazo ou avise que é possível que você atrase a entrega em 30 minutos, 1 hora, 5 minutos… Não deixe o cliente esperando sem nenhuma notícia.


6) Desejo de aprender com os erros: Esteja aberto a feedbacks. Feedbacks são fontes valiosas e inestimáveis de aprendizagem. É por meio deles que você sabe se está no caminho certo e onde precisa melhorar. Sempre leia os feedbacks fornecidos com atenção e cuidado. Anote as dicas, crie um glossário para cada cliente/conta com as preferências e assimile tudo para não voltar a cometer o mesmo erro em trabalhos futuros. Você acredita que o revisor errou em uma correção ou está em dúvida quanto a um ponto? Pergunte! O revisor também é passível de cometer erros, assim como você. Além disso, é possível que aquela regra gramatical que você acreditava que fosse verdade absoluta esteja, na verdade, errada. 

Se ama o que faz, não tem
preguiça
de trabalhar, tem força de vontade e desejo de aprender sempre mais,
você está no
caminho certo. Basta aprender com os erros próprios e de outros colegas, e tentar sempre ser
melhor.
 Ah, e quando você adquirir experiência suficiente e finalmente deixar de ser
iniciante, não se esqueça de também acolher os próximos iniciantes ensinando o que aprendeu em
todo o processo.
 Boa sorte!

***
Carol, muito obrigada por aceitar o convite e escrever este post que tenho certeza que ajudará, e muito, todos os leitores do blog. Essas dicas realmente são muito valiosas, principalmente para quem está começando!!!

Sobre a autora:

Caroline Alberoni é tradutora de inglês e italiano, especializada na área de TI. Atua na empresa Alberoni Translations. Para conhecer a Caroline melhor e receber várias dicas, visite o blog Carol’s Adventures in Translation.

Um Comentário para: “Guest Post: 6 qualidades básicas essenciais de um tradutor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.