Comece sua carreira AGORA!

O post de hoje é inspirado em um post do Ricardo Jordão que vi no Facebook. E digo isso porque muita coisa que está escrita aqui foi “copiada” de lá, com algumas adaptações para nossa área. Logo, a maior parte dos créditos deste post são para o Ricardo Jordão.
O post falava sobre uma moça de mais de 40 anos que queria ser fotógrafa. Resumindo, a moça verificou que para ser uma boa profissional ela precisaria de muitos recursos como um estúdio, uma boa máquina fotográfica e precisaria fazer alguns cursos que poderiam custar até 4 mil reais.
Isso mostra que é preciso investir (e muito) para ser um bom profissional. É preciso se preparar para conseguir realizar seus sonhos.
Continuando o post, Ricardo Jordão dá várias dicas para quem pretende começar uma nova carreira, e achei bem legal e muito válido para vocês que estão buscando informações sobre como ser um tradutor.
A primeira dica é COMEÇAR!!! O importante é entrar no mercado. É conseguir o primeiro cliente/agência de tradução.
Infelizmente, um bom computador, software caríssimos, e vivência no exterior não são garantias de nada!
Pense: qual é o seu diferencial? Qual é o seu público-alvo? Por que alguém aceitaria que você fizesse as traduções necessárias?
Antes de começar, tente responder todas as perguntas acima e depois parta para a pratica! Pode ser que algumas respostas sejam alteradas com o tempo, pois com a vivência cometemos erros e acertos que nos ajudam a melhorar a cada dia. O maior aprendizado é aquele que ocorre com a prática.
Escolha algumas áreas de conhecimento como foco. Aprenda o vocabulário utilizado nessas áreas para que suas traduções tenham qualidade. Lembrem que qualidade é o mínimo que podemos oferecer ao cliente!
No começo invista o mínimo possível em equipamentos. Utilize o computador que você tem em casa, busque software gratuitos para realizar seus trabalhos ou experimente aqueles que disponibilizam uma versão gratuita para teste. Participe de palestras gratuitas e webinar que são indicados em vários grupos de tradução.
O importante é conseguir o primeiro cliente/agência de tradução! Depois que conseguir o primeiro, os outros serão mais fáceis.
Tem que começar! Isso é o que interessa! Esse é o primeiro passo! Você tem que pisar no mercado que você quer dominar e crescer com a prática e a experiência. E você deve fazer isso agora, e não no ano que vem, ou quando terminar o seu curso de tradução!
Fazer uma faculdade de tradução, pós-graduação e cursos livres voltados para a sua área é importante, mas muitas vezes não são o suficiente para ter noção de como é o dia a dia do tradutor.
O Ricardo Jordão fez  uma comparação que eu adorei!!!!

“Você não precisa ser faixa preta para ensinar um faixa branca. Se você já for um faixa amarela, você já resolve o problema do faixa branca. O faixa preta não tem saco nem paciência nem metodologia nem didática nem conhecimento sobre a realidade do faixa branca para ensinar a ele alguma coisa.”

Não se preocupe em ser melhor do que os profissionais que já estão no mercado. Você deve ser DIFERENTE deles.
E aí, já estão prontos para começar???

Como começar a conseguir trabalho?

Vejo muitas pessoas que estão cursando Letras ou Tradução (seja graduação ou pós-graduação) e querem entrar no mercado, mas não sabem por onde começar. Não sei a receita correta, mas passarei as dicas pelo que vivenciei desde que comecei minha carreira como tradutora.
1º – Siga as dicas do post “Como começar minha carreira como tradutor?“. Lá você terá dicas de sites para tradutores, grupos de discussão, o que estudar, etc.
2º – Faça seu cadastro em alguns classificados online, assim como nos sites indicados no post linkado no item acima. Isso abrirá portas para conseguir alguns clientes diretos.
3º – Faça uma busca de agências de tradução para enviar seu currículo.
4º – Faça cursos e aumente sua rede de contatos. Muitos trabalhos que recebemos são indicados por outros colegas.
5º – Persista! Continue estudando, pesquisando novos sites, enviando currículos.
Ao começar minha carreira, tive a sorte de conseguir clientes diretos logo de cara, mas nem sempre isso acontece. E conseguir uma vaga para trabalhar in house também não me parece algo tão fácil. Então, o que sugiro é que você, além de se cadastrar em sites e disponibilizar o seu serviço, envie e-mails com seu currículo para agências de tradução para trabalhar como freelancer.
A cada dia você vai adquirir mais experiência para fazer um trabalho cada vez melhor e especificar ainda mais suas buscas por clientes diretos e/ou agências de tradução.

Essa profissão vai me permitir viver bem financeiramente?

Muitas pessoas procuram seguir uma carreira que possa dar uma boa situação financeira, mas sabemos que no fundo trabalhar apenas por dinheiro não vale a pena. Para ser tradutor é preciso gostar, amar a profissão.

 

Como já falamos em outro post, o tradutor pode trabalhar como autônomo/freelancer, em sua própria casa, como também pode trabalhar em uma agência de tradução. Também já ouvi falar de agências que pagam salários fixo aos tradutores e assinam a carteira de trabalho para que os mesmos trabalhem para a agência, de casa.
Enfim, será que conseguirei viver bem financeiramente trabalhando como tradutor?

 

O tradutor que trabalha diretamente na agência possui um salário fixo, ou seja, receberá todo mês aquele determinado valor acordado na contratação. Até hoje, já vi empresas que pagam desde R$1.200,00 até R$1.800,00 para trabalhar durante 8 horas, e claro, com uma meta de X mil palavras por mês para traduzir. Algumas dessas agências oferecem bônus caso a meta seja ultrapassada.
O tradutor autônomo/freelancer não possui um salário certo todo mês. Tampouco possui uma data certa de pagamento. Em um determinado mês o tradutor autônomo pode receber um salário de R$5.000,00 ou R$10.000,00 ou até mais, dependendo da quantidade de trabalho, e no próximo mês (ou além), receber somente um salário mínimo, se chegar a isso.
Para trabalhar sem ter uma carteira assinada, de maneira autônoma é preciso ser uma pessoa controlada financeiramente, pois nunca sabemos quando teremos um novo trabalho que nos dê um salário tão bom quanto o daquele mês.
Pode ser que em algumas épocas do ano o tradutor passe por alguns apertos e precise economizar mais, e talvez, atrase o pagamento de algumas contas, caso não tenha um reserva, ou a mesma já tenha acabado. Por isso, não gaste tudo o que receber. Sempre que possível, guarde uma parte do salário (use o princípio de Pareto: 20% para gastar e 80% para guardar ou a lei do livro “O homem mais rico da Babilônia” onde 10% são para guardar, 70% para pagar as contas e 20% para supérfluos).
Outro detalhe que deve ser levado em consideração é a questão da qualidade de vida. Não adianta ganhar rios de dinheiro e viver infeliz (afinal, passamos a maior parte do nosso tempo trabalhando). Às vezes é melhor ganhar um pouco menos, não ter tanto luxo e ser feliz, poder aproveitar a vida e a família.
Certa vez li o depoimento de um tradutor que dizia que às vezes pagava as suas contas com atraso, pois ainda não havia recebido o seu pagamento, mas preferia isso e ter tempo para seus filhos, para vê-los crescer e estar com sua família (pois é autônomo e pode escolher o horário de trabalho) que trabalhar de 6h a 8h por dia e não estar presente em sua família.
Quando quero comprar algo mais caro, me pergunto quantas laudas/palavras preciso traduzir para conseguir adquirir tal coisa, e isso, claro, sempre levando em consideração todas as contas fixas que tenho para pagar mensalmente.
Minha opinião é: trabalhe fazendo o que gosta. Quando gostamos do que fazemos, realizamos um bom trabalho, e como consequência, somos indicados à outras pessoas/empresas. E, no caso da tradução, escolha o que vai ser melhor para você. E seja feliz!!!

Quanto devo cobrar?

Uma das maiores preocupações dos tradutores iniciantes é justamente o quanto devem cobrar por seus trabalhos realizados.
Lembro que quando comecei não tinha a menor noção, e pelo fato de não ter muita experiência, cobrei R$0,03 quando consegui o primeiro cliente.
Também não entendo o que acontece quando um tradutor iniciante pede ajuda aos tradutores já experientes sobre valores que devem cobrar, e as respostas vão surgindo como: “Depende…”, “Isso é algo que pode variar…”, “Use a tabela do Sintra…” e por aí vai. Aparecem as mais diversas respostas que, ao meu ver, não ajudam em nada!
Se você cobra R$0,03, alguns tradutores experientes te criticam pelo fato de ser muito barato e não estar valorizando o seu trabalho, a sua profissão… Ao mesmo tempo, muitos tradutores iniciantes não se sentem a vontade para seguir a tabela do Sintra, pelo fato de não ter experiência. E agora? Tenho o trabalho na mão e não sei o quanto cobrar. O que eu faço?
Calma! 
Pensando nisso, vendo a dificuldade de muitas pessoas e lembrando desses momentos complicados pelos quais já passei, fiz o post “Quanto devo cobrar?” tendo como base alguns conselhos que foram dados a mim por colegas, professores e alguns que consegui em pesquisas na internet.
Caso você trabalhe com interpretação simultânea ou consecutiva, geralmente se cobra de R$1.300,00 a R$1.400,00 por um dia de trabalho, ou seja, 6h de trabalho. Se você não tem experiência, cobre menos, mas não cobre menos de R$1.000,00 por 6h de trabalho (eu nunca trabalhei com interpretação, mas recebi esse conselho de um professor, em uma palestra que fui no Instituto Cervantes).
Se você trabalha com tradução para dublagem ou para legendagem, os valores praticados são aproximadamente R$5,00 a R$6,00 por minuto, com script (dicas da Dilma Machado). Caso você precise timear ou transcrever as falas, além de ter que traduzir, pode cobrar um pouco mais.
O mais tradicional dos trabalhos de tradução são os textos. E daí surge a  maioria das perguntas como: “devo cobrar por lauda?”, “Cobro por palavras?”, “Cobro por hora?”, “Quanto devo cobrar?” e por aí vai.
Algumas agências de tradução trabalham com laudas, mas isso já é considerado ultrapassado, pois a lauda varia. Alguns entendem 1 lauda como 1000 caracteres sem espaço, outros entendem com espaço.  Para não ter problemas com caracteres, espaçamento, fonte e tamanho das letras, muitos tradutores preferem cobrar por palavras, que é algo mais concreto. E aí, a média fica em R$0,10 por palavra (para cliente direto). Já vi agência que paga ao tradutor R$0,04 por palavra, ou até mesmo R$0,01.
Quando a agência de tradução passa o valor do pagamento, cabe a você aceitar ou não. Se for cliente direto, você tem maior liberdade para decidir o valor.
Ah! Detalhe importante: lembre-se sempre de enviar seu trabalho para um revisor antes de entregar ao cliente!

Espero ter ajudado com esse post. Caso ainda tenha alguma dúvida, você pode ler mais sobre o assunto no livro “Tradutor Iniciante: O que você precisa saber para começar sua carreira!” ou através da Consultoria para Tradutor Iniciante.Se você tem um amigo que está começando a carreira como tradutor e se sente perdido quanto aos valores que deve cobrar, compartilhe esse post com ele!

Fiz um post mais atualizado para você aprender a calcular o valor da sua tarifa! Para ver, basta clicar aqui: Quanto devo cobrar 2 e Quanto devo cobrar 3.

5 dicas de como se organizar para conseguir clientes

Todo tradutor precisa de clientes. Sem clientes não temos trabalho. Sem trabalho, não temos dinheiro.
Uma das tarefas mais complicadas, na minha opinião, é justamente a de conseguir clientes (seja cliente direto ou agência de tradução), pois hoje em dia a concorrência é muito grande, e pelo fato da profissão de tradutor não ser regulamentada, qualquer pessoa pode atuar na carreira.
Devido aos fatos citados, achei interessante escrever esse post com 5 dicas de como se organizar para conseguir clientes.
1- Analise o que você faz (legenda, interpretação, tradução de vídeo game, técnica, jurídica), como faz (ou seja, seu diferencial para fazer isso) e por que você faz isso. De preferência, escreva. Quando colocamos nossas idéias no papel, não ficam tão vagas. Neste site há uma tabela que vai te auxiliar bastante para fazer esta análise.
2- Defina sua especialidade. Muitos podem pensar que fazendo de tudo terão mais oportunidades, mas lembre-se que se queremos ter clientes, nosso trabalho precisa ter qualidade. Às vezes, quem faz tudo não faz nada direito.Busque trabalhar com áreas que tenha conhecimento e que sejam de seu interesse para que não venha a se transformar em algo chato. Ao definir com o que deseja trabalhar, será mais fácil conseguir encontrar os clientes certos.
3- Acesse um site de busca e pesquise sobre os profissionais que já atuam nessas áreas escolhidas. Assim, você pode ter uma noção da demanda do mercado.

 

4- Seu trabalho tem valor, e é preciso saber que valor o cliente percebe: quais vantagens ele receberá ao contratar o serviço, que problemas resolveremos, quais barreiras transpassaremos para favorecê-lo.

5- Invista em um cartão de visita e o utilize sempre que houver uma oportunidade. Mesmo que você trabalhe em casa e a maioria dos seus clientes tenham sido encontrados através da Internet, é importante ter um cartão para ser lembrado. O Networking é muito importante em nossa profissão, por isso, caso esteja em algum evento, é bom ter seu cartão de visitas para ser lembrado, ainda mais se seu cartão for criativo e diferente dos tradicionais.
Espero que essas dicas sejam úteis para começar a carreira! Qualquer comentário, crítica ou sugestão, escreva aqui embaixo.
Compartilhe o post!!!  😉

Como começar minha carreira como tradutor?

Colegas Tradutores Iniciantes,
Pelo que tenho visto no meu dia a dia e lido em vários blogs e sites, além de alguns conselhos sobre como começar a carreira de tradutor (comecei a pesquisar sobre isso algum tempo depois de já estar trabalhando como tradutora profissional), destaquei alguns pontos que são importantes:
PESQUISAR – Leiam e pesquisem tudo o que puderem sobre tradução para ter a certeza se é isso que querem fazer. Conheço algumas pessoas que “se aventuraram” na área e acabaram desistindo por acharem que é uma carreia muito solitária. Pesquisem também os jargões utilizados na profissão para que não fiquem perdidos. Uma outra dica é ouvir o TradCast – o primeiro podcast brasileiro de tradução, pois há várias discussões sobre temas da área.
 
ESTUDAR – Pensar que basta ter um pouco de conhecimento sobre algum idioma pode o suficiente para ser tradutor é um erro tremendo! Para ser um tradutor profissional, é importante dominar tanto o idioma materno como o estrangeiro para que haja qualidade no trabalho.
CAT – é importante aprender a usar alguma CAT, pois muitas agências dão preferência ao tradutor que sabe utilizar algumas delas. Para conhecer e verificar como funciona, aconselho que façam o download de uma gratuita, como o Omega T. Dizem que o Wordfast tem uma versão gratuita, mas ainda não consegui encontrar.
CV – Outro detalhe importante é ter um bom currículo, e de preferencia voltado para a área que deseja trabalhar, que neste caso é a tradução. Neste post você pode encontrar um modelo de como criar o seu currículo.
PERFIL – Muitos tradutores começam a carreia como freelancer, e para isso, é preciso aparecer! Crie perfis em alguns sites como LinkeIn, ProZ, Empreendemia, Freela, Translators Café, GetNinjas, Tradutores, TRAG, Translation Directory e outros que não lembro agora, mas prometo que conforme for lembrando, postarei.Para finalizar esse post, quero lembrar a todos que apesar da tradução ser uma profissão não regulamentada, você não deve pensar nessa carreira apenas como um bico. Dedique-se a ela como a qualquer outra profissão. Se você for um bom tradutor, conseguirá bastantes clientes e terá que se organizar para conseguir entregar todos os trabalhos dentro do prazo. Se não levar a profissão a sério, os poucos clientes que conseguir, podem trocá-lo por outro profissional.