Bandeirada: cobrar ou não cobrar, eis a questão

Você sabe o que é a bandeirada na tradução? Será que vale a pena para você? E para o cliente?

Quando você entra em um táxi, a primeira coisa que o motorista faz é ligar o taxímetro que começa a marcar um valor X que você já paga só por ter entrado no carro. Atualmente, aqui no Rio de Janeiro, se não me engano, a bandeirada está em torno de R$ 5,00 a R$ 6,00, ou seja, no mínimo você vai pagar esse valor. A mesma coisa acontece com o Uber (que está na moda agora, né?! rs): quando você solicita uma corrida, ele mostra uma estimativa de preço e tem ali o mínimo que você vai pagar ao percorrer tal trajeto.

Alguns tradutores são adeptos à bandeirada nos serviços de tradução. Caso o cliente envie um texto pequeno, que se for calcular o valor por palavra e der, por exemplo, R$ 12,43, o profissional não aceita pegar o trabalho, ou cobra um valor mínimo para realizá-lo, como R$ 50,00 ou R$ 100,00. Caso a tradução tenha um orçamento que passe do valor da bandeirada, volta a cobrar por palavra.

Até que ponto isso vale a pena?

Se você está sem fazer nada ou mesmo na sua rotina normal, com trabalhos, mas nada que ocupe 100% do seu tempo, eu não vejo sentido em cobrar um valor fixo ao cliente. Eu, particularmente não adoto essa prática e, pensando como o cliente, não gostaria que adotassem comigo.

Tentando encontrar uma justificativa caso fosse aderir à essa prática, eu só cobraria a bandeirada em duas situações:

1) Se eu estivesse de férias, viajando e tal. Afinal, também tenho o direito de descansar, e estaria interrompendo o meu descanso para trabalhar, e claro, isso tem um custo.

2) Se eu estivesse com muito trabalho, desses que você quase tem que virar a noite pra conseguir cumprir o prazo, e fosse encaixar mais um, com muito esforço.

Por que pensei nessas duas situações?

Porque eu gosto de justificar o meu orçamento para o cliente. Tanto para cobrar, quanto para dar desconto (coisa que não gosto de fazer) eu gosto de explicar qual é o motivo daquilo. Não gosto de enviar um orçamento no estilo “porque sim”. Fora as situações acima, não vejo motivo para cobrar “além das palavras”.

Eu também gosto sempre de pensar no cliente e de me colocar no lugar dele. Penso em como eu gostaria de ser atendida, tratada… Sou uma pessoa muito exigente como cliente, então, gosto de dar o melhor atendimento quando procuram os meus serviços!

Sei que esse assunto é bem complicado, que cada um é que sabe onde o sapato aperta (a expressão é assim mesmo?) e que não temos uma tabela de tarifas certinha para seguir (infelizmente), mas esse é o meu ponto de vista, e gostaria de compartilhar com vocês, e talvez, fazer alguns pensarem sobre o assunto, caso ainda não tenham ouvido falar sobre essa forma de cobrar por um serviço.

Se você cobra a bandeirada, deixa um comentário explicando o porquê. Se você não cobra, conte também! Vamos trocar ideias! Quero saber o que vocês pensam! Adoro conhecer outros pontos de vista!!! =)

Quanto devo cobrar? – 3

Esse tema gera muitas dúvidas, principalmente para iniciantes, por isso, esse já é o terceiro post feito para ajudar os tradutores a saber qual deve ser a sua tarifa mínima por palavra. No post Quanto devo cobrar?, o primeiro da série, simplesmente estabeleci alguns preços, o que confundiu algumas pessoas, pois o tempo foi passando e eu não fiz atualizações nas tarifas sugeridas. Foi então que fiz post Quanto devo cobrar? – 2, onde ensino uma fórmula para você calcular a sua tarifa mínima por palavra, já que a tarifa é algo muito particular, pois varia de acordo com os custos que cada um tem para trabalhar.
Quando fui ao III Café com Tradução, no dia 21 de novembro (para saber como foi, é só clicar aqui), aprendi mais uma fórmula para calcular a tarifa mínima por palavra. E como prometi que passaria para vocês, lá vai!

Quem ensinou essa fórmula foi o William Cassemiro. Me ajudou bastante pois com essa fórmula é possível calcular a tarifa já pensando em feriados, férias, etc. Mas vamos começar pelo começo!!!

Tradução é um trabalho. Se você trabalha, ou você recebe pelo seu trabalho, ou você é um filantropo, ou você é um escravo. Se você recebe, só é interessante se manter no negócio se há lucro, ou seja, se você consegue pagar TUDO o que precisa para ter uma vida financeira saudável. Agora, se você não está nessa por dinheiro, você não está no negócio. Afinal, nós vendemos o nosso tempo, a nossa experiência.

Como o que vendemos não é algo tangível, mas sim algo intelectual, precisamos vender por um valor que cubra TODAS as nossas necessidades. Mas quanto é isso?
Pois é, lembra que comentei que a tarifa por palavra é algo muito pessoal? Então, para saber o quanto você deve cobrar, você precisa considerar:

 

  • Custos pessoais (aluguel, alimentação, estudos, roupas, veículo para uso pessoal, taxas bancárias, impostos, plano de previdência, poupança, seguros, entretenimento, férias, plano de saúde, doações, etc.);
  • Custos operacionais (telefone, internet, livros, dicionários, roupas profissionais, veículo para uso profissional, viagens a trabalho, equipamentos de escritório, software, backup de dados, etc.);
  • Custos de crescimento e capitalização (plano estratégico, congressos, novo hardware e software, manutenção de equipamentos, custo de desenvolvimento de um site, etc.).
Se pararmos para pensar, temos muitos custos!!!
Vamos supor que a soma de todos esses custos em um ano seja de $50.000,00 (faça os cálculos sempre na sua moeda).
Agora vamos pensar: Quantas horas quero trabalhar para ganhar esse valor?
Quero trabalhar 8 horas por dia, 5 dias por semana. Logo, trabalharei 40 horas semanais.
Se 1 ano tem 52 semanas, trabalharei 2080 horas por ano (horas semanais x semanas por ano).
MAS…
Na verdade, não trabalharei essas 2080 horas por ano, pois:
  • Quero férias (30 dias): menos 240 horas;
  • 18 feriados (sem contar anos atípicos com copa do mundo e olimpíadas): menos 144 horas;
  • Indisponibilidades mensais (imprevistos acontecem): menos 10 horas;
Assim, tenho 1686 horas faturáveis? Não!
É preciso lembrar que também trabalhamos indiretamente, ou seja, precisamos de tempo para fazer pesquisa de termos para a realização de um trabalho, tempo para nos organizar, para fazer nosso marketing, cuidar da contabilidade, etc. Para isso, vamos separar 30% do nosso horário de trabalho.
  • Horas indiretas (30%) – menos 506 horas
Logo, tenho 1180 horas faturáveis!
Agora, vamos ver o valor que quero ganhar dividido pelas horas faturáveis para saber o valor da minha hora.
$50.000,00 / 1180 horas faturáveis = $42,37 por hora
Ou seja, $43,00 por hora. SEMPRE arredonde para cima!!!! Esse será o meu break-even (ponto de equilíbrio).
Devemos considerar todos esses dados (férias, feriados, imprevistos, etc.) na hora de fazer os cálculos, pois se considerássemos apenas as horas totais iniciais, o valor seria $50.000,00 / 2080 h = $24,04 por hora. Com esse valor ou eu não conseguiria me manter, ou me mataria de trabalhar para ganhar $50.000,00.
Legal! Descobri quanto devo cobrar por hora! Mas agora preciso saber quanto tenho que cobrar por palavra.
Simples!!!
É só saber quantas palavras consigo traduzir por dia.Sabendo o total de palavras que consigo traduzir por dia, preciso saber quantas palavras posso traduzir por hora e então, dividir o meu break-even pela quantidade de palavras que traduzo em 1 hora.

Por exemplo:

Vamos supor que eu consiga traduzir 3000 palavras por dia. Então, teoricamente consigo traduzir 375 palavras por hora.

Se eu cobro 43,00 por hora, vou cobrar 0,12 por palavra (43,00 por hora / 375 palavras que traduzo por hora).

Mas Laila, estou começando agora na profissão. Não sei quanto tempo levo para traduzir um trabalho!
Isso você só vai descobrir com a prática. Para ter uma ideia, comece pegando qualquer texto para traduzir e calculando o tempo que você leva. 

Agora é só escolher a fórmula que se adapta mais à sua situação para calcular a sua tarifa mínima por palavra e passar o orçamento para o seu cliente, sem medo de ser feliz. =)

Quanto devo cobrar? 2

Se você acompanha o blog, sabe que já escrevi um post sobre Quanto devo cobrar, mas esse post é bem antigo… Escrevi logo que comecei o blog, então, os valores que estão sugeridos ali já estão desatualizados.
Quando escrevi o livro “Tradutor Iniciante: O que você precisa saber para começar sua carreira!“, ensinei um jeito de saber qual é o valor mínimo por palavra que você deve cobrar.
Se você ainda não tem o livro, veja o vídeo abaixo para saber como calcular a sua tarifa.
Se você gostou dessa dica, deixe um joinha no vídeo e se inscreva no canal Tradutor Iniciante, no #YouTube.
Para garantir seu livro, clique aqui!Veja também o post Quanto devo cobrar? 3.

Quanto devo cobrar?

Uma das maiores preocupações dos tradutores iniciantes é justamente o quanto devem cobrar por seus trabalhos realizados.
Lembro que quando comecei não tinha a menor noção, e pelo fato de não ter muita experiência, cobrei R$0,03 quando consegui o primeiro cliente.
Também não entendo o que acontece quando um tradutor iniciante pede ajuda aos tradutores já experientes sobre valores que devem cobrar, e as respostas vão surgindo como: “Depende…”, “Isso é algo que pode variar…”, “Use a tabela do Sintra…” e por aí vai. Aparecem as mais diversas respostas que, ao meu ver, não ajudam em nada!
Se você cobra R$0,03, alguns tradutores experientes te criticam pelo fato de ser muito barato e não estar valorizando o seu trabalho, a sua profissão… Ao mesmo tempo, muitos tradutores iniciantes não se sentem a vontade para seguir a tabela do Sintra, pelo fato de não ter experiência. E agora? Tenho o trabalho na mão e não sei o quanto cobrar. O que eu faço?
Calma! 
Pensando nisso, vendo a dificuldade de muitas pessoas e lembrando desses momentos complicados pelos quais já passei, fiz o post “Quanto devo cobrar?” tendo como base alguns conselhos que foram dados a mim por colegas, professores e alguns que consegui em pesquisas na internet.
Caso você trabalhe com interpretação simultânea ou consecutiva, geralmente se cobra de R$1.300,00 a R$1.400,00 por um dia de trabalho, ou seja, 6h de trabalho. Se você não tem experiência, cobre menos, mas não cobre menos de R$1.000,00 por 6h de trabalho (eu nunca trabalhei com interpretação, mas recebi esse conselho de um professor, em uma palestra que fui no Instituto Cervantes).
Se você trabalha com tradução para dublagem ou para legendagem, os valores praticados são aproximadamente R$5,00 a R$6,00 por minuto, com script (dicas da Dilma Machado). Caso você precise timear ou transcrever as falas, além de ter que traduzir, pode cobrar um pouco mais.
O mais tradicional dos trabalhos de tradução são os textos. E daí surge a  maioria das perguntas como: “devo cobrar por lauda?”, “Cobro por palavras?”, “Cobro por hora?”, “Quanto devo cobrar?” e por aí vai.
Algumas agências de tradução trabalham com laudas, mas isso já é considerado ultrapassado, pois a lauda varia. Alguns entendem 1 lauda como 1000 caracteres sem espaço, outros entendem com espaço.  Para não ter problemas com caracteres, espaçamento, fonte e tamanho das letras, muitos tradutores preferem cobrar por palavras, que é algo mais concreto. E aí, a média fica em R$0,10 por palavra (para cliente direto). Já vi agência que paga ao tradutor R$0,04 por palavra, ou até mesmo R$0,01.
Quando a agência de tradução passa o valor do pagamento, cabe a você aceitar ou não. Se for cliente direto, você tem maior liberdade para decidir o valor.
Ah! Detalhe importante: lembre-se sempre de enviar seu trabalho para um revisor antes de entregar ao cliente!

Espero ter ajudado com esse post. Caso ainda tenha alguma dúvida, você pode ler mais sobre o assunto no livro “Tradutor Iniciante: O que você precisa saber para começar sua carreira!” ou através da Consultoria para Tradutor Iniciante.Se você tem um amigo que está começando a carreira como tradutor e se sente perdido quanto aos valores que deve cobrar, compartilhe esse post com ele!

Fiz um post mais atualizado para você aprender a calcular o valor da sua tarifa! Para ver, basta clicar aqui: Quanto devo cobrar 2 e Quanto devo cobrar 3.