Entrevista com o diretor da Abrates

Ano passado fiz um post explicando um pouco sobre o que é a Abrates e porque devemos nos associar. Mas muito melhor do que a minha explicação é a explicação do diretor da Associação. Por isso entrei em contato com o William Cassemiro e o convidei para uma entrevista. Para ver, é só clicar no play!

Este vídeo também está disponível no canal, então, se você gostou, clica aqui e deixa o seu joinha. E se você ainda não está inscrito, se inscreva no canal!!! Vai ter sorteio quando chegarmos aos 750 inscritos!!!

Curiosidade e humildade para ir mais longe

não sei - tradutor inicianteQual é a primeira coisa que você faz quando quer descobrir, entender ou aprender alguma coisa? Se você começa a procurar a resposta sozinho em vez de perguntar para alguém, parabéns, você está no caminho certo para ser um bom tradutor.

Há pouco tempo apresentei um webinar sobre A Profissionalização do Tradutor, e aproveitei para falar um pouco sobre essa questão da pesquisa.

Tenho visto muitas pessoas que são 8 ou 80: há aquelas que não param para pensar e pesquisar, que querem a informação pronta, e há as que pesquisam bastante, aprendem com os outros e se acham autodidata.

Quiz fazer esse post para esclarecer alguns pontos importantes sobre essa questão da pesquisa.

1º – O tradutor tem que ser curioso e desconfiado. Tem que saber pesquisar nos lugares certos para encontrar informações confiáveis.

2º – É claro que você deve buscar aprender com a experiência dos colegas, procurar tutoriais e o máximo que puder na internet para aprender, mas isso não significa que você seja autodidata! O autodidata é o cara que aprende sozinho. Se você aprendeu alguma coisa porque alguém te ensinou, porque viu um tutorial no youtube ou qualquer coisa do tipo, você NÃO é autodidata!!!

3º – O burro erra e não aprende. O inteligente erra e aprende. O sábio aprende com o erro dos outros. O ideal é que aprendamos com os nossos erros e também com o erro dos colegas. Por que ficar batendo cabeça e perdendo tempo se tem alguém disposto a te ajudar e mostrar o caminho mais rápido? Como já disse antes, também não vai abusar. Por exemplo: se eu chego para você e digo que no blog Tradutor Iniciante tem um post que ensina você a calcular a sua tarifa por palavra, vai lá no tal blog e procura o post, seja olhando post por post, usando nuvem de tags, digitando uma palavra-chave na busca do blog… Isso é ser curioso e pesquisador! Um colega passa uma informação e você corre atrás dela em vez de pedir o link certinho. É claro que se você fuxicar o blog todo e não encontrar, não custa nada ir lá e perguntar se o colega tem o link do tal post pois você já procurou e não encontrou.

Uma coisa muito importante que quem quer ser um bom profissional deve saber é: em algum momento da sua carreira você vai precisar investir. Quando falo sobre investimento, não envolvo apenas dinheiro, mas também o tempo.

Investir dinheiro é fácil. Você investe e depois de um período ele volta para você. Investir tempo é complicado, pois o tempo não volta! Saiba usá-lo da melhor maneira possível!

Quer ser um bom tradutor? Invista o seu tempo em pesquisa e estudo antes de qualquer coisa, mas saiba a hora certa de pedir ajuda. Seja curioso o suficiente para procurar a informação por sua conta, e humilde o suficiente para reconhecer que precisa do seu colega.

5 insights que tive no 7º Congresso da Abrates

5 INSIGHTSQUE TIVEDURANTE O CONGRESSO - tradutor iniciante

Esse ano não vou fazer post resumindo as palestras, como fiz no ano passado, por dois motivos: esse ano fui para o Congresso com um olhar diferente. Mais do que aprender nas palestras, eu queria contatos! Quanto mais gente eu pudesse conhecer, melhor. O outro motivo é o fato de não querer que ninguém se acomode.

Pelo fato de ir ao Congresso com uma nova visão, durante evento eu tive vários insights e trouxe 5 deles para compartilhar com vocês.

Não espere ficar perfeito. Vai, e faça o seu melhor! Não sei vocês, mas eu sou uma pessoa muito perfeccionista. Por um lado isso é bom, porque nós temos que fazer o nosso melhor, mas se você perceber que está chegando aos extremos, tome cuidado! O perfeccionismo não pode te travar. Lembre-se, feito é melhor que perfeito!

Menos desculpa e mais ação. Sucesso é para quem levanta e faz! Esse insight eu tive no domingo de manhã, quando estava saindo de casa, último dia do Congresso. Na noite de sábado para domingo choveu muito aqui no Rio de Janeiro, e eu confesso que bateu aquela vontade de continuar na minha cama, embaixo do edredom e dormir até tarde. Por que eu não fiz isso? Porque eu quero crescer na vida. Tenho sede de conhecimento, e isso é maior do que a minha melhor desculpa. Muita gente (não apenas tradutores) reclama que a vida está ruim, que a situação está difícil, mas ao mesmo tempo não faz nada para mudar. Cada um tem a sua prioridade. Uns preferem sair no domingo às 7h da manhã para fazer um curso, participar de um congresso, ou mesmo trabalhar normalmente, e outros preferem dormir, fazer um churrasco ou ficar sentado no bar tomando uma “gelada”. Depois só não vale reclamar que não tem trabalho ou não tem dinheiro, hein?!

A vergonha e a timidez não abrem portas. Crie técnicas para vencê-las e mostrar o seu potencial ao mundo! Assim como o perfeccionismo, a vergonha também impede que você tenha sucesso. E eu posso garantir isso, afinal eu sou muito tímida!!!! O pessoal que me conheceu no Congresso achou que eu estava brincando quando falava isso, mas é verdade, eu sou tímida! O caso é que me esforço muito para não transparecer essa timidez. Eu preciso me vender e vender o meu serviço, e para isso, não posso ser tímida. Ainda não está convencido? Veja o primeiro vídeo do canal do youtube e um dos mais recentes. A diferença é incrível! Cada um tem a sua técnica para vencer a timidez. Se vocês quiserem, eu conto qual foi a minha. E, fato: quando você esquece a timidez, as portas se abrem!

Foque nos bons exemplos! Esse foi um dos primeiros insights que tive durante o Congresso (já perceberam que estou escrevendo tudo fora da ordem, né?! rs). Na sexta-feira, antes do workshop de Tradução para Dublagem, fiquei assistindo alguns Snaps para passar a hora, e vi um do Murilo Gun. Ele estava falando sobre exemplos. Muitas vezes olhamos apenas para aquelas pessoas que estão fazendo algo errado e esquecemos de olhar para quem está fazendo certo. Se você admira alguém, siga os passos dessa pessoa. Comece a pensar nessa pessoa como sua mentora. Eu, por exemplo, tenho vários “metores secretos” na tradução e procuro seguir os passos deles. Presto atenção no fazem que dá certo e adapto para mim. Precisamos de bons exemplos para nos inspirar!

Comece com pouco, porque quando você quer abraçar o mundo, você desiste. Sabe aquele momento que a gente tem uma ideia e coloca toda a nossa energia naquilo e quer fazer mil coisas ao mesmo tempo? Calma! Faça uma coisa de cada vez. Vou usar o Tradutor Iniciante como exemplo: primeiro veio o blog. Um ano depois, a Fanpage, e só no ano passo é que surgiu o canal. Talvez, se eu tivesse começado o blog, a Fanpage e o canal ao mesmo tempo, não tivesse dado certo. Todos esses canais de comunicação que tenho com vocês exigem tempo e dedicação. É preciso começar com pouco para ir se acostumando à uma nova rotina, e com o tempo ir acrescentando novos desafios.

Eu tive outros insights durante o Congresso, mas foram mais pessoais, mas separei esses 5 porque achei que seria interessante para vocês.

Quem mais teve insight durante o 3 dias de Congresso? Deixa aqui nos comentários!!!

 

Norte Coworking: Visitei e amei

Desde a primeira vez que visitei um coworking (ano passado no Coworking Day), eu me apaixonei pelos escritórios compartilhados!!! Além de ser um lugar diferente da nossa casa para trabalhar, você conhece outras pessoas e aumenta a sua rede de contatos.
Procurando um coworking perto de casa, acabei encontrando o Norte Coworking, um escritório compartilhado que fica na tijuca, pertinho do metrô e do Shopping Tijuca, que foi inaugurado há pouco tempo, e é claro que fui lá para conhecer!
Ao conversar com o André Gurra, fundador do Norte Coworking, percebi que ele traz uma proposta um pouco diferente da maioria dos escritórios compartilhados que já visitei. A ideia deste coworking é de dar aos coworkers um lugar tranquilo para trabalhar, sem muita rotatividade de pessoas. Por isso cada coworker que fechar planos mensais, semestrais ou anuais, terá um lugar fixo para trabalhar, onde poderá deixar o seu equipamento e documentos, pois terá um gaveteiro com chave para guardar o que for necessário.
Até o momento, este foi o menor coworking que visitei, mas o André conseguiu aproveitar bastante o espaço e deixá-lo bem aconchegante.

 

Conversei com ele sobre uma possível parceria com a Abrates e o Sintra para que nós, tradutores associados, tenhamos desconto, e ele se interessou pela ideia! Vamos torcer para conseguir mais um coworking conveniado!!!
Quem quiser conhecer o local, é só entrar em contato com o André pelo site, fanpagee-mail ou telefone (21 3905-2897). Aproveite e fique por dentro das novidades do Norte Coworking seguindo o Instagram @nortecoworking .

Home Office: 5 detalhes importantes

Que atire a primeira pedra quem nunca cometeu um erro sequer na vida! Mas também é verdade que quem é inteligente aprende com o erro dos outros, certo? Por isso decidi escrever esse post para alertar os tradutores iniciantes que vão começar a trabalhar em casa e querem montar seu home office.
Acho que já comentei aqui no blog que logo que parei de trabalhar no Banco e virei tradutora full time, meu home office era na mesa de jantar. Eu era recém-casada e ainda estava montando a casa, então não tinha um espaço só para mim. Essa conquista levou mais ou menos 2 anos para sair do papel e virar realidade.
É claro que durante esse tempo eu aprendi algumas coisinhas e quero deixar as dicas aqui para quem está pensando em criar um cantinho para trabalhar, e não cometa os mesmos erros que eu.
1) Dê preferências às mesas com gavetas
Eu pensava que gavetas eram dispensáveis, mas só depois que troquei minha mesa com 2 gavetas por uma sem gavetas é que percebi a verdadeira utilidade delas.
2) Se você é espaçoso como eu, evite comprar mesas pequenas
Não consigo trabalhar só com o notebook em cima da mesa. Preciso ter um porta lápis e minha agenda. Sim, eu ainda tenho minha agenda de papel, mesmo com toda a tecnologia do século.
3) Não economize na cadeira
Já errei por duas vezes. Na primeira vez comprei uma cadeira barata (pela internet) e um dia, um dos braços quebrou. Passou mais um tempo e o que quebrou foi uma das rodinhas (se meu marido não estivesse perto, eu ia cair sentada no chão). Decidi que a próxima cadeira seria de qualidade. Quando fui comprar, só lembrei da postura, mas esqueci de vários outros detalhes. A cadeira não tem braços (isso é muito importante para mim), e o assento é bem estreito, logo, não é tão confortável para passar horas trabalhando sentada.
4) Fique atento à iluminação
Se o ambiente escolhido para montar o seu home office for um pouco escuro, opte por colocar uma boa luminária na sua mesa. Também evite deixar o seu monitor de frente para a janela, para evitar o reflexo na tela, principalmente se a tela não for LED.
5) A profundidade e a altura da mesa são muito importantes
Eu achava que a altura das mesas era algo padrão, mas percebi que não. Se você for comprar seus móveis do home office pela internet, fique atento às medidas, e se for à uma loja física, tente medir a altura da mesa com relação à cadeira. Quando comprei minha mesa atual ela estava sob um tablado, e não percebi o quanto era baixinha (o que é um problema sério para pessoas altas como eu).
Aprendi que não adianta comprar os móveis do home office só pensando na beleza ou em apenas uma parte da praticidade e ergonomia. É preciso pensar em todo o conjunto, ou então, levaremos muitas surras até chegar ao cantinho ideal.
Um dia eu vou mostrar o meu home office para vocês, pelo youtube, e explicar melhor esses detalhes. Então, se você ainda não está inscrito no canal, clica aqui e se inscreve para ficar por dentro das dicas!
Só para vocês terem uma ideia, deixo uma foto do antes e depois do meu home office.
2015

 

2016

5 dicas para quem quer abrir empresa

Uma das minhas metas para 2016 era é a de abrir a minha empresa. Uma meta audaciosa, que vai exigir muito de mim daqui para frente, mas é algo que eu quero muito. E como sempre, vou vivendo, aprendendo e compartilhando minhas experiências com vocês. Por isso, decidi fazer esse post com algumas dicas para quem quer abrir sua empresa de tradução.

Dica #1 – Analise se realmente é o momento de se formalizar. Eu falei sobre isso no último vídeo de 2015, lá no canal Tradutor Iniciante. Quem não viu esse vídeo, pode clicar aqui para assistir. Eu sei que o blog é voltado para quem está começando na profissão, mas é importante falar sobre isso, pois algumas agências solicitam Nota Fiscal, e apenas empresa consegue emitir Nota Fiscal.
É preciso lembrar que abrir uma empresa é encarar alguns custos. Ao abrir uma empresa passaremos a ter custos como o honorário do contador, impostos, tarifa de conta bancária, sem falar no custo para abrir a empresa, taxa da documentação, etc.
Se você ainda não tem uma carteira de clientes suficiente para gerar uma boa receita, aguarde mais um pouco. Talvez este ainda não seja o seu momento.
Dica #2 – Pesquise! A vida do tradutor é feita de pesquisas! Se você acha que já é o momento de abrir sua empresa e passar a emitir Nota Fiscal em seu nome, comece a pesquisar contadores (escolha um de sua confiança ou peça indicação), bancos (para saber qual oferece o melhor custo benefício para abrir sua conta PJ), e o tipo de empresa que deseja abrir (ME, EIRELI, LTDA). Não faça nada na emoção. Tudo deve ser friamente calculado.
Dica #3 – Comece a fazer a reserva da empresa. Quando decidi que era o momento de abrir minha empresa, fiquei praticamente 6 meses juntando capital, pois sabia que a formalização não seria algo barato. Para alguns tipos de empresa você precisa ter um capital mínimo para começar, e eu não queria tirar dinheiro do bolso pra isso, então, toda vez que conseguia trabalho de um cliente direto, eu separava aquele dinheiro em um envelopinho e guardava. Sabia que aquele dinheiro era da empresa, e não meu. Agora, não preciso mexer na minha conta para pagar a documentação de abertura da empresa, ter o capital inicial e fazer qualquer pagamento que seja necessário. Mas preciso, no mínimo, manter o faturamento para quitar as despesas futuras.
Dica #4 – Fique atento ao seu público-alvo. Não adianta abrir empresa e não saber onde está o seu cliente, assim como não adianta saber onde encontrar o cliente e não saber vender o seu serviço. Quanto mais trabalho você receber, melhor! Mas isso não significa que você deve sair atirando para todos os lados. Foque, selecione, niche o seu público para saber exatamente onde ele está e facilitar a sua busca por novos clientes, sem esquecer dos antigos, é claro.
Dica #5 – Estruture o seu negócio. Essa é a primeira coisa que deve ser feita. Na verdade, isso deve ser feito muito antes de começar a pensar em abrir uma empresa. Todo tradutor deveria pensar nisso no momento em que decidiu seguir essa profissão. Se você ainda não fez isso, faça! Se não sabe como fazer, fique ligado, pois no dia 28/01 vou apresentar um webinar ensinando você a estruturar o seu negócio! Para saber mais, clique aqui.
Eu fiz isso tudo. Estou abrindo minha empresa e assim que estiver com tudo OK, vou contar cada detalhe da minha experiência aqui no blog, ou no canal do YouTube. Se você ainda não está inscrito no canal, corre lá e se inscreve! Toda quarta-feira tem vídeo novo com dicas!

Invista na sua apresentação

Uma das coisas que sempre digo que um tradutor deve ter é o cartão de visita. Sei que quando estamos começando a carreira é um pouco complicado fazer alguns investimentos, mas esse é muito necessário, tanto para entregar para colegas de profissão, como para entregar a possíveis clientes.

Há algumas gráficas online que confeccionam os cartões e enviam pelo correio sem cobrar muito caro. Um exemplo é a Zocprint. Fiz meus cartões lá e indico! Não há muitas opções, mas você pode tanto aproveitar as artes já prontas, como enviar a sua própria arte. Outra vantagem é que você pode solicitar 50, 100, 250, 500 e 1000 unidades, enquanto a maioria das gráficas só fazem 1000 unidades.
Eu, particularmente, acho que 1000 cartões é muito. Prefiro fazer aos poucos, e quando acabar, mando fazer novos cartões com novo modelo e nova arte.
Se mesmo assim você acha que no momento ainda não pode investir em um cartão de visita porque está fora do seu orçamento, venho trazer uma ótima notícia: você pode criar um cartão de visita online e de graça!!!
Há pouco tempo descobri o App Kardshare. Com ele podemos criar e trocar cartões. É simples e fácil de usar, e está disponível para iOS e para Android. Você cria seu cartão de visitas pelo site e depois é só baixar o App no celular e trocar os cartões com as pessoas que tenham esse App.
Quando você cria o cartão no Kardshare, você pode compartilhar pelo WhatsApp, Facebook, e-mail, LinkedIn, bluetooth…
Não consegui criar um cartão online igual ao impresso, mas gostei do resultado. Quem quiser ver o meu cartão e trocar cartões comigo, é só clicar aqui.

O App ainda está em fase de testes, então podem ocorrer algumas divergências entre o cartão editado no computador e a visualização no celular, mas mesmo assim vale a pena. E quando o App tiver 100%, vai valer ainda mais!

Networking na EDX Coworking

O ano de 2015 está terminando, e eu quero começar 2016 aumentando minha rede de contatos e, quem sabe, fechar novas parcerias para a Compan Traduções.
Muita gente me pergunta como conseguir cliente direto, e eu sempre digo que o tradutor deve participar de eventos de tradução, mas também deve participar de outros eventos que envolvam outras profissões.
Se você não está por dentro dos eventos que estão acontecendo para empreendedores, uma forma barata e divertida de conhecer novas pessoas é trabalhando em um coworking.
Já estive no Vinst Coworking em agosto (clique aqui para ver o post) do ano passado, e no final do ano fui conhecer o EDX Coworking, que fica no centro do Rio de Janeiro. Como o meu propósito aqui no blog é de dar várias dicas para vocês, anota aí, porque essa é mais uma das dicas valiosas.
Visitei 2 espaços de coworking, ou escritório compartilhado para quem preferir, e simplesmente amei, pois além de conhecer pessoas, fiz novos contatos com profissionais de diferentes áreas.
A EDX Coworking fica em um local privilegiado do Rio de Janeiro, pois além de estar em plena Avenida Rio Branco, fica pertinho do metrô da Carioca e está à 10 .

 

 

Quem quiser conhecer mais um pouco sobre a EDX Coworking, é só acessar o Site ou a Fanpage deles e entrar em contato com a Eliane, que é um amor de pessoa, e com certeza vai recepcioná-lo muito bem.

Como organizar os pagamentos

Quem é tradutor autônomo sabe que sua renda vem de diversos clientes, mas como se organizar para saber quanto cada cliente tem que pagar?
Pensando nisso, criei uma planilha no Excel para não precisar perder tempo calculando o quanto cada cliente tem que me pagar por mês. Estou há quase 3 anos usando essa planilha, e em uma conversa com outros tradutores, me pediram para compartilhar.
Quem quiser baixar a planilha para utilizar ou para pegar o modelo, é só clicar na foto abaixo.

Para fazer o download da planilha, clique aqui.
Como algumas pessoas não sabem usar o Excel muito bem, fiz um vídeo com um breve tutorial.


Espero que essa planilha ajude vocês!!!

Tradutor Iniciante na Bienal do Livro Rio 2015

Esse ano a Bienal do Livro foi muito especial para mim por diversos motivos! O primeiro deles foi simplesmente pelo fato de poder entrar de graça. Isso mesmo! Como sou autora de um livro, o livro “Tradutor Iniciante: O que você precisa saber para começar sua carreira!“, pude entrar de graça!!! =D
Assim que chegamos fomos direto para o stand da Submarino, pois queríamos ver a entrevista com o Affonso Solano, autor do livro “O Espadachim de Carvão”, podcaster, youtuber e membro do grupo Matando Robôs Gigantes (MRG).
Para minha surpresa, no meio da entrevista Affonso comenta sobre a importância do revisor, pois este é a primeira pessoa que lê o que você escreveu de maneira crítica e que perceberá detalhes que você deixou passar, não apenas os erros ortográficos, mas também com relação ao sentido do texto.
Quando ouvi isso pensei: “Por que não estou gravando essa parte da entrevista???????” rs
Em alguns posts, e também no livro, comento sobre a importância do revisor. Esse profissional irá garantir ainda mais a qualidade final do seu trabalho. A função do revisor é tão importante quanto a do tradutor, por isso, sempre que você precisar contratar alguém para revisar seu trabalho, procure um profissional de confiança, e a partir daí crie parcerias com ele.
Ao terminar a entrevista, a entrevistadora abriu um espaço para perguntas, e é claro que eu aproveitei a oportunidade para saber se ele já tinha a ideia de traduzir os livros para outros idiomas.
Sabem quando eu digo que nós temos que aproveitar todas as oportunidades que aparecem? Essa apareceu para mim. Ele informou que não apenas tinha a ideia de traduzir, como disse que as traduções já começaram a ser feitas. E, é claro que se ainda não tivesse começado, ou se não tivesse pensado nessa possibilidade, eu iria oferecer meus serviços.
Sempre estou postando dicas para os iniciantes, mas dessa vez quis mostrar para vocês, na prática, como aproveito todas as chances que tenho de falar que sou tradutora. Quando fiz a pergunta, não apenas o Affonso soube que eu sou tradutora, mas também todos que estavam presentes no local. É em uma oportunidade dessa que você consegue um trabalho, uma parceria, uma indicação.

Não seja um tradutor 007 (aquele que ninguém sabe que você é tradutor). Conte para todos! Quanto mais gente souber, mais chance você tem de ser chamado para realizar um trabalho.” – Laila C. Rezende Compan

O vídeo já está disponível no canal do Tradutor Iniciante, no YouTube!!! Para ver, clique aqui!

Para fechar com chave de ouro, ainda ganhei o livro autografado!!!! =D